Escrito em por & arquivado em Direito Civil, Notícias, Notícias do dia.


O autor da ação se dirigiu a um pronto atendimento de Ribeirão Preto após sofrer ferimento em um dos pés e foi liberado com um simples curativo. Inconformado e com dores, procurou outro hospital, onde a médica realizou sutura no corte e aplicou vacina antitetânica, motivo pelo qual ajuizou ação pleiteando indenização em razão da má prestação do serviço.

Para o desembargador Carlos Alberto de Salles, fico caracterizado o erro médico e o consequente dever de indenizar. “As fotografias e documentos do atendimento em outra instituição evidenciam que era necessária sutura do ferimento, além de cuidados para os quais o apelado não foi orientado nas dependências da apelante”, escreveu em seu voto, no qual negou provimento ao recurso.

O julgamento, unânime, contou com a presença dos desembargadores João Pazine Neto e Alexandre Marcondes.

Apelação nº 1005255-92.2019.8.26.0506

Comunicação Social TJSP – JL (texto) / Internet (foto)

Fonte: TJSP